quinta-feira, dezembro 07, 2006

Passagem

SINTRA EM NEGATIVO como Blog independente não teve continuação. Entretanto, sempre que possível, pede boleia e viaja em

segunda-feira, julho 24, 2006

Passadeiras



As passadeiras de peões destinam-se a facilitar a vida aos cidadãos que, não utilizando carro, necessitam de atravessar vias. É suposto serem colocadas em locais de movimento e dentro de uma lógica.
Em Sintra, junto à sede da Junta, há um dos exemplos mais flagrantes do que está errado. Quem vem do mercado ( ou mesmo da CGD ) e se dirige para a Estefânea, atravessa muito naturalmente onde não há passadeira. E porquê ? A passadeira mais próxima serve para quem sai da CGD e se dirige ao Sintra Museu. Únicamente. Como a esmagadora maioria não faz esse percurso, atravessa ao " deus-dará". Se houver algum atropelamente a culpa é do peão. Mas deram-lhe alternativas?
Quem, vindo da Av. Miguel Bombarda, (onde há uma estação da CP ) se dirige para a Estefânea, atravessa onde não há passadeira. Porque a mais próxima, situada na Rua Dr. Alfredo da Costa , está no local errado.
Muitos outros exemplos existem. Ficam aqui estes dois.
Será muito dificil a quem trata destes assuntos, pensar um bocadinho em facilitar a vida aos munícipes ?
Lord Byron adorava Sintra mas a Vila do Poeta não é esta onde vivemos diáriamente.

De novo

Problemas técnicos com o Blog, à mistura com problemas de saúde, criaram um intervalo muito grande no Sintra Em Negativo. Aproveitando o lapso de tempo decorrido pergunto: o que se resolveu entretanto?
A Árvore continua a dar problemas. Os Buracos da rua aumentaram. O Estacionamento piorou (há mais turistas agora, sabíam?). A Correnteza continua feia e morta. Arranjaram o local onde o escoamento está deficiente?. O mercado de Mem Martins continua um caos, principalmente ao sábado.
Assim, pergunto: vale a pena reclamar?
Sei que a Junta de Freguesia está cheia de boas intenções, mas, dizem, também o Inferno está. É possível que as chamadas de atenção tenham sido encaminhadas " para quem de direito " mas essa entidade abstracta onde pára?
Dentro do possível continuaremos a insistir. Até que a mão nos doa...

quarta-feira, junho 07, 2006

Mais queijadas



Recentemente tomei conhecimento deste anúncio e, passe a publicidade que ninguém pagou, é interessante divulgar. E informar que quem fabrica as Queijadas do Avô Neves é a mesma pessoa que em muitos anos fez as deliciosas Queijadas da Sapa.

terça-feira, junho 06, 2006

Buraco



Há algo de errado aqui e não sei o que é. Na Avenida havia uma moradia que estava em mau estado. Apareceu uma placa duma Mediadora/ Tubarão e a casa foi vendida. Quem a adquiriu pensava remodelá-la e utilizá-la como escritório (Estou certo ou estou errado?). Foram colocadas as devidas placas de licenciamento de obras e começaram as demolições. Da fachada inicial nada resta. Entretanto (consta-se) a obra foi embargada. E agora naquele sitio, onde havia uma moradia bonita, embora degradada, existe um vazio e muitos escombros.
1 - Foi a obra licenciada sem as devidas cautelas?
2 - Foram demolidas paredes que deviam ficar de pé?
3 - Há outra razão para aquela paragem?
Pela experiência destas coisas, parece-me que há alí um BURACO para alguns anos. Oxalá me engane e amanhã (por exemplo) veja o recomeço daquele trabalho. Porque assim como está, não interessa ao dono da obra, não interessa a quem alí passa. Resumindo: mais uma nódoa na paisagem urbana desta Vila mal-tratada.

segunda-feira, maio 29, 2006

Sintra / Amazónia


Sintra não tem o verde da Amazónia. Mas o que tem, deve ser cuidado.

sexta-feira, maio 26, 2006

Escoamentos...





Numa das artérias mais movimentadas da Vila, agora zona pedonal, existe uma espécie de "quinta" com um acesso a parque de estacionamento improvisado. Os utentes, suponho, serão funcionários de bancos, comerciantes e até, quem sabe, quem descobriu o sítio como estacionamento gratuito. Acontece que em dias de chuva, que já lá vai mas pode voltar, o largo defronte é um rio. Existe uma grelha de escoamento de águas que está sempre entupida. Como a "rua" de acesso à quinta é de terra, é inclinada, nunca é possivel ter a grelha em condições. Em tempos a Junta limpou aquele local, mas dias depois, tudo voltou a ser como era. Parece-nos que a solução sería melhorar aquele bocado de rua, que por sinal, é mais buraco que rua. Se o problema é falta de verbas porque não pedir às entidades que se servem do local, para contribuirem? E que tal fazer a obra antes que a chuva volte?


quinta-feira, maio 25, 2006

Mem Martins





Não tencionava saír das Freguesias de S.Maria e S. Miguel, S. Martinho e S.Pedro de Penaferrim. No entanto, esta situação em Algueirão - Mem Martins é demasiado flagrante e merece um comentário.

Aos Sábados (e talvez noutras dias, não sei) realiza-se um mercado junto ao Caminho de Ferro.
As ruas de acesso ao mercado, estreitas, têm circulação nos dois sentidos. Em dias de feira é normal estacionarem carros em segunda fila, sobre os passeios, etc.etc. E não há Sábado em que não existam discussões, atropelos, e insultos. Os peões circulam, com todo o à-vontade, pelas ruas. E sentem que aquele espaço é seu. Os condutores ouvem de tudo. Do pior, claro está. Mas quando se cruzam duas viaturas os problemas avolumam-se. É ir lá e apreciar. Raramente aparecem as forças da ordem (para disciplinar, não para reprimir). GNR e Polícia Municipal primam pela ausência.
Assim sendo, porque não resolve a Junta, em colaboração com outras entidades, tomar medidas ? Condicionar um dos sentidos, proibir o trânsito em dias de feira, colocar agentes a regular o movimento, ou outra qualquer solução que acabe de vez com aquele tormento que é circular aos Sábados naqueles espaços.